Seguidores

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

PARA 2014





PARA 2014



Vem, ano novo,

e traz consigo textos fantásticos,

versos bombásticos, palavras que falem,

mais que digam,

que abalem.



Vem com textos polêmicos

sentenças ácidas,

de uma leitura causar espanto

de um rosto triste arrancar encanto

de um coração duro quebrantar-lhe em pranto.



Quero, durante seu curso,

ler, escrever, conceber,

gerar, parir, lamber,

a escrita que causar mais prazer

de o leitor arrebatar-se

sentir seu corpo arrepiar-se

ao passar os olhos, de relance

no texto que fizer-lhe luzir a fronte

nos versos em que focar o olhar brilhante.



Não quero, em seu dia a dia, nada básico,

nem comum nem simples

quero almas penadas levantando-se em coro

reagindo iluminadas

ao menestrel do gozo

o compêndio de palavras com sentido em dobro.



Ver nascer em você os textos mais marcantes,

do começo ao fim, impactantes,

estrofes anárquicas,

rimas teimosas,

escritas por mentes caóticas.



Instantes exultantes

poesias palpitantes

poetas invadindo palcos

soltando verbos escatológicos

fazendo plateias moribundas

de olhares opacos

e pálpebras flácidas

abandonarem o pulsar analógico

e irromperem em respirações profundas.



Clarice já disse

que o tempo não se conta em dias

mas em anos,

então, neste novo tempo,

quero estalar os dedos,

nervosa

por poemas empolgantes,

ansiosa

por sinuosas rimas,

as verdadeiras sinas,

dos poetas

e seus versos intrigantes.



Por isso, neste momento,

abandono o livro engodo,

que não me ganhou na madrugada alada,

sou leitora na noite,

viajo em jangada

num mar de palavras que quero,

venham como onda inesperada,

e me deem um caldo,

e me façam rescaldo,

de onde me recupere, destroçada,

e corra, e recorra

a um novo texto, no encalço

da letra mais dura,

e ao mesmo tempo leve e pura

que alimente

de tanta beleza e poesia

minha fome premente

da surreal literatura.




@Cristina Lebre – 28.12.13

Código em Recanto das Letras T 4629612

4 comentários:

alvaro mendes disse...

Cristina:vou repetir meu comentário do facebook, por ter sido bastante original sobre este poema.

Li o poema num jorro espumante e cristalino;o qual brinda o porvir ao desafio e à coragem com sua espada lírica por novas e outras palavras.

Cristina Lebre disse...

Obrigada, Alvaro, congratulações e saudações poéticas, um 2014 cheio de poesia pra todos nós, abraços!

Victor Martins disse...

Amém!E que nosso cerebro continue confuso,porque quando se tem a confusão e a bagunça é que a inspiração vem!!!

Cristina Lebre disse...

Obrigada, Victor Martins, são as mentes caóticas que produzem poesia, música, cinema, quadros, esculturas, teatro, arte, enfim, pensar é se ver enredado na complexidade da condição humana, e saber é complicar ainda mais a existência. Sou feliz por ser uma mente caótica, no bom sentido, bjsssssssss