Seguidores

segunda-feira, 13 de julho de 2015

VIDA DE POESIA


VIDA DE POESIA
E do que eu vivo, é de poesia
seja de dor, ou de alegria,
de desamor, ou galhardia.

E do ar que respiro
retiro forças
inspiro, expiro
me emano em gotas.

E do que prossigo é de matar leões
sejam famintos, sejam vorazes
nenhum deles me abate.

E se ainda o coração bate
é de insistir na verdade
e renunciar à vaidade
e desafiar frustrações,

porque o meu pão é a sinceridade
o meu alimento, a transparência,
o meu sustento, a espera
o meu alento, a resiliência.

E se galopo a vida, é pulando obstáculos
na poesia, inteira, me refaço
porque do que vivo é de claridade
e de refutar falsidade.

E da poesia, faço a vontade
de um dom que me veio,
do dna, do seio,
do dentro, da água, do meio
do ar que aspiro, do rio, do leito,
até o último
suspiro.


@Cristina Lebre - 20.06.15
Código em RL – T5284757
 —

4 comentários:

Patrícia Pinna disse...

Bom dia, Cristina. Viver de poesia é não ter a alma cativa nesse mundo perdido, é poder enxergar o mundo com outros olhos e até poetiza-lo em suas mazelas.
É ter um coração libetto, obediente ao diálogo com a inspiração numa transpiração maravilhosa, é usar como meio de transporte da alna, para a nossa redenção.
A poesia é dom de Deus e temos de agradecer por isso e multiplicar nosso talento confiado ao nosso ser.
Muito bom.
Tenha um fim de semana de paz.
Beijos na alma.

Redescobrindo a alma

Cristina Lebre disse...

Obrigada, divina poetamiga Patrícia Pinna, juntos somos mais, por mais poesia em nossas vidas, bjssss, S2

Guto Santana disse...

Linda inspiraçäo

Keylitcha disse...

Viver poesia é um privilégio, porque as areias dos tempos, nossa origem, o imaginário arquetípico, descansam no seio da poesia... Ela é o átomo da alma.... e vc é uma suave detentora desse privilégio ímpar! Beijos, mais nova amiga!